16.4.13

Rotinas...

Cheguei a casa há 10 minutos. O percurso percorrido desde ontem foi o mesmo, a distância igual, o tempo foram menos 18 segundos. 1:14:42. Incrível. Não melhorei absolutamente nada. Mas também não piorei, o que é óptimo, sabendo que nos últimos 4 dias já fiz quilómetros suficientes para chegar a casa dela. Amanhã, chego ao meu trabalho.

Daqui a meia hora sou esperado na casa dos meus pais para jantar. Confesso que não me apetece. Mas vou. Porque eles não sabem o que eu sofro cada vez que chego a casa e eu não os quero preocupar. Não sabem o quanto tenho penado por estar sozinho em casa. A falta que me faz uma companhia. O quanto desejava tê-la aqui, ao meu lado.

Este sentimento acompanha-me todos os dias. O pior é eu saber que só o ia ter durante uma semana, um mês, dois meses... E depois ele ia abandonar-me novamente. Porque me senti traído neste tempo que estivemos juntos. Porque as palavras foram consonantes com os actos, apenas em determinada medida. Chegou a altura do primeiro desafio e eu fiquei de calças na mão. E isso doeu mais que uma tareia.

Neste momento, eu sinto a tua falta. Neste momento, eu gostava de te fazer o jantar, depois ficar no sofá, abraçado a ti, a ver as séries que tanto gostávamos, para depois te levar para a cama, amar-te como tu mereces e dormir aconchegado e abraçado a ti, o teu forninho nas noites mais frias. Beijar-te as costas, os ombros e o pescoço como eu sei que tu gostas, cheirar o teu perfume e ficar sossegado.

Mas o coração é traiçoeiro, é o diabinho em cima do ombro direito. Depois vem o cérebro, qual anjinho, por cima do ombro esquerdo e diz assim: "Não Passion, não penses mais nisso... Porque depois desiludes-te outra vez e é pior." E o que é a vida senão um mar de desilusões? É o que apetece responder. Será que algum dia alguém vai conseguir não me desiludir? Manter-me agarrado o suficiente para me apetecer surpreender e colocar um sorriso na boca? Fazer-me desejar que o dia acabe mais depressa e que a noite não termine, para poder passar cada segundo livre com ela?

13 comments:

Ana said...

Só existem homens assim como tu para esses lados?
(em relação ao terceiro paragrafo :))

Passion Addicted said...

Ana
Espero bem que não. Eu não sou o homem do terceiro parágrafo. Obrigaram-me a ser...

Soul said...

Ninguém mais que tu para decidir...
A memória é muito traiçoeira,e traz-nos sempre pedaços do que amamos e vivemos.Resta saber com o que se vive melhor,Passion,se com a tristeza de não ter ou com a felicidade da ilusão de ter.

Passion Addicted said...

Soul
Ena pá! Comentário lindo! Mas deixaste-me cá um nó na tola... Deve ser da hora!

Soul said...

Passion...não te quero baralhar pah...
Mas acredita que sei do que falo...

Passion Addicted said...

Sou
Mas baralhaste. Deixa lá. Amanhã fará mais sentido. Espera-se...

Soul said...

Aiii não era o que queria!Que feia eu!
Desculpa...tenho o coração ao pé da boca :(

Passion Addicted said...

Soul
Feia não... Linda, prestável e amigável. O coração ao pé da boca é uma virtude, não um defeito!

Soul said...

:) pronto já cresci uns cms :P
Migo...dá tempo ao tempo,é só o que te posso dizer!
Mas isto também pode ser da hora...

Passion Addicted said...

Dar tempo ao tempo. Aí está algo que eu compreendo como conselho :) Agradeço o descomplicador :)

Soul said...

Descomplicador modo ON

:)

A Bomboca Mais Gostosa said...

Descomplica, se tens saudades dela, sê sincero, provavelmente ela também tem tuas. Caraças, o orgulho é fodido mas a razão do coração tem de superar isso.

Passion Addicted said...

Soul
Obrigado

Bomboca
Já em casa? :p Em relação ao teu conselho, estou a ganhar 3-0. O orgulhoso não sou eu!

 
;